terça-feira, 18 de agosto de 2009

Variações metalinguísticas culturais do skatista brasileiro

Questionados sobre a qualidade de um determinado vídeo de skate americano, skatistas de várias partes do Brasil responderam, à sua maneira:

Paulista:
- Vixe mano, o bagúio é loco! Mó da hora, firmeza...

Carioca:
- Porra, o vídeo é como? Porradão mané, como? Caralho, como? Sinistro leque!!!

Gaúcho:
- Bááááá, videozinho tri! A gurizada tá apavoraaaando!

Mineiro:
- Noooooooossa véio! Estileira a nível Califórnia!!!

Bahiano:
- Vídeo? Que vídeo? Óxi, num tava sabendo não meu rei...

3 comentários:

Anônimo disse...

já que você não colocou ai o capixaba... la vai... "Nosss esse vídeo é tinindo!"

Ass.: CB

Titof, disse...

uhauhauhauhauhuhua caralho incrivel ahuuhauhauhauhauh

Felipe Miranda disse...

Quero vê se vocês sabem de onde vem essa:

"óióió... qui vídiu istilu, quebra tudo mô quiridu!"

Infelismente a galera do skate daqui copia sotaques de outras regiões com sp e rs perdendo parte de sua identidade regional.